Bahia é goleado pelo Atlético-PR e está desclassificado da Copa do Brasil

O Bahia foi goleado por 5 a 0 pelo Atlético-PR na Arena da Baixada na noite desta quarta-feira 20 de abril de 2011 e está fora da Copa do Brasil. No jogo de ida, em Pituaçu, os times tinham empatado em 1 a 1 e hoje o time paranaense fez valer seu apelido de Furacão, atropelou o Bahia e já vencia por 4 a 0 no intervalo do jogo.

De volta ao time depois de ficar de fora do último jogo, o meia Paulo Baier foi decisivo para o placar elástico - marcou duas vezes e originou os lances de outros dois gols. Abatido em campo, o Bahia não esboçou reação em nenhum momento do jogo - o maior lance de perigo foi uma bola no travessão quando a partida ainda estava 2 a 0 - e dá adeus à competição nas oitavas de final.

Depois do empate em casa, o Bahia precisava vencer ou empatar com mais de dois gols. A tarefa era difícil e o histórico do Bahia contra o Atlético fora de casa mostrava isso. Foram nove jogos em Curitiba, sete vitórias para o time paranaense e dois empates - ambos sem gols. Em campo, o Bahia começou armado para o contra-ataque - mesmo com a vantagem, era o Atlético quem ia para cima.

O primeiro gol veio aos 22 minutos, depois de cobrança de falta de Paulo Baier. O meia já havia assustado aos 3, quando Omar espalmou, aos 11, quando mandou forte por cima do gol, mas na bola parada não falhou: Titi desviou de leve a bola e acabou tirando Omar da jogada. 1 a 0 para o Atlético. Logo aos 26 minutos, o Furacão ampliou o placar quando Manuel desviou de cabeça após outra cobrança de falta de Paulo Baier.

Na saída após o gol o Bahia teve seu lance de maior perigo, quando Marcone arriscou de fora da área e a bola foi explodir no travessão. Fora esse lance, o tricolor não conseguiu criar jogadas e esteve longe de mostrar o entrosamento que apresentou contra o Vitória da Conquista, no último domingo. Na frente, Souza e Robert mal tocaram na bola.

Quem não faz, leva, diz a máxima, e aos 34 foi a vez de Rafael Santos cabecear e mandar para o gol após receber cruzamento. Livre na pequena área, o meia mandou de peixinho para o canto esquerdo de Omar. Não dava tempo nem para a torcida se acostumar ao placar: aos 39 minutos, o juiz marcou pênalti de Omar em Adaílton e Paulo Baier, carrasco, cobrou e converteu: 4 a 0.

Segundo tempo inerte
Se a torcida ainda acreditava em alguma reação no segundo tempo, logo ficou claro que não iria acontecer. O técnico René Simões não fez nenhuma mudança no intervalo. O Atlético também manteve seu time, que continuava jogando com facilidade sobre o Bahia. Já aos 6 minutos Adaílton roubou a bola, avançou pela esquerda e chutou colocado.

Simões tentou então duas substituições de vez. Robert e Souza sairam e deram lugar a Rafael e Lulinha. Em campo, a pressão do Atlético continuava e o Bahia não achava espaços. Aos 16 minutos, Rafael Santos cabeceou bem após escanteio e Omar defendeu. Antes, o Bahia teve um bom lance quando Marcos recebeu um lançamento e invadiu a área, marcando - mas já não valia nada, pois a arbitragem sinalizou impedimento.

Na última mudança, René Simões colocou Jancarlos em campo, no lugar de Marcos. Foi a primeira partida do lateral desde seu afastamento há seis meses por conta de uma lesão. Mas o Bahia não criava - o garoto Rafael chegou a arriscar de fora da área, em um lance individual, mas Renan Rocha conseguiu fazer a defesa.

Os tricolores torciam pelo fim do jogo - aos 31, Paulo Baier dividiu na área do Bahia e quase marcou o sexto, mandando para fora na cara do goleiro Omar. Após os dois minutos do acréscimo, o juiz encerrou o jogo. No último lance, o time paranense ainda mandou uma bola na trave.

O Bahia volta a campo no domingo, quando enfrenta o rival Vitória em Pituaçu pela primeira partida das semifinais do Campeonato Baiano.
Do www.correio24horas.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Blogroll