Traficante morto pela PM fazia parte do bando de suspeito de matar Kelly Cyclone

O homem morto durante uma operação da Rondas Especiais da PM - Rondesp na manhã desta terça-feira (26), na cidade de Lauro de Freitas, fazia parte do bando do traficante Wellington Nunes, o Mão, um dos suspeitos de executar Kelly Cyclone na madrugada do último dia 18, de acordo com investigação da 23ª Delegacia.

Conhecido como Quinho, o traficante de prenome Edmilson, baleado pelos PMs após reagir à ação policial na Favela Boca do Vulcão, chegou a ser encaminhado ao Hospital Menandro de Farias, mas não resistiu aos ferimentos e morreu poucos horas após dar entrada na unidade médica.

Na ocasião, dois adolescentes, de 16 e 17 anos, foram apreendidos e encaminhados para a 23ª Delegacia, onde vão depor na tarde de hoje antes de serem encaminhados para a unidade do menor infrator do município.

Morte de Kelly

Kelly Sales Silva, de 22 anos, também conhecida como Kelly Cyclone ou Kelly Doçura, foi assassinada na madrugada desta segunda-feira (18), no centro do município de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador. O corpo apresentava marcas de tiros nas costas e estava com ferimentos, o que indica, segundo a polícia, que Kelly pode ter sido vítima de espancamento.

O corpo da Dama do Pó foi encontrado em via pública por moradores locais. Ainda não há informações sobre autoria do crime e o motivo. De acordo com a Central de Polícia, Kelly também teria sido esfaqueada na barriga. O crime é investigado pela delegacia de Lauro de Freitas.

Versões para morte

Existem duas versões para a morte de Kelly. Na primeira, contada pela família, o motivo é passional. A jovem teria sido assassinada por um rapaz de prenome Gustavo, que a ameaçou por ela ter recusado seu pedido de namoro. O rapaz é filho de um policial civil conhecido como Braga, que mora em Lauro de Freitas.

Já moradores do centro do município apontam como algoz Wellington Nunes, o Mão, traficante da localidade de Casinhas, no final de linha. O crime estaria relacionado com a disputa do tráfico - Kelly foi ex-namorada do traficante Toni Rogério, o Tonny, que, mesmo preso na 23ª Delegacia, em Lauro, continua no controle das bocas da Rua 4, na comunidade de Vila Praiana.
CORREIO

1 Opiniões:

  1. eu acho que sei quem era esse quinho,ele tinha sumido agr essa noticia será ?!

    ResponderExcluir

A MATÉRIA EM AUDIO