Souto Soares Bahia comemora sua emancipação política

Com pleno e tradicional frio da chapada e uma chuva que insistiam em participar da programação, a prefeitura de Souto Soares celebrou no último dia 5, sexta-feira, mais um aniversário da sua emancipação política.

As comemorações tiveram início por volta das 10h da manhã, com a imponente cavalgada, contando com a participação de aproximadamente 500 cavaleiros e amazonas de vários municípios da chapada diamantina. Além de saudosistas vaqueiros e criadores de gado, crianças e mulheres também participaram, numa demonstração do empoderamento da identidade cultural sertaneja, passando de geração a geração.

Bandeiras do Brasil, da Bahia e de Souto Soares seguiam em frente à cavalaria alinhada, que saiu do Distrito Segredo, desfilando por 8km, atravessando a cidade pelas suas principais ruas, sob a liderança das autoridades, a exemplo do prefeito Cássio Cleber, o vice-prefeito André Sampaio e do presidente a Assembleia Legislativa da Bahia, deputado Marcelo Nilo.

A cavalgada fez uma breve parada na Praça da Igreja onde Patrícia Marques cantou "Avemaria", emocionando a todos os participantes. O cortejo continuou até o terminal rodoviário, onde foram premiados uma amazona, o cavaleiro mais idoso e um cavaleiro mirin. O locutor Dominguinho apresentou o Hino do Município em verso. O prefeito Cassio, o deputado Marcelo Nilo e o vice-prefeito André Sampaio se manifestaram em alusão à data cívica. Marcelo Nilo saudou Souto Soares pelos seus 51 anos de emancipação política. O prefeito deu as boas vindas a todos os cavaleiros e amazonas, ao presidente da assembleia, saudou ao município e agradeceu a população da sede e das comunidades rurais pelo apoio no desenvolvimento do município.

Após a cavalgada, foi servido um almoço aos participantes e às 15h, iniciaram-se as apresentações musicais, com Dioguinho, Pablo Marques e Raimundo Marques, até às 22h, na Praça de Eventos.

UM POUCO DA HISTÓRIA - No início do século XX, na Chapada Diamantina, coração da Bahia, havia alguns povoados e vilas com pouca ligação entre si. Numa extremidade existia a Vila do Morro do Chapéu e o seu Distrito Caraíbas, atual Cidade de Irecê. Na outra extremidade ficavam a vila de Lençóis, Arraial das Palmeiras e a Vila Campestre, atuais municípios de Lençóis, Palmeiras e Seabra. O coronel Horácio de Matos chefiava toda região e não tardou para que seu irmão, Francisco de Matos, fosse se estabelecer e construir as primeiras casas juntamente com João Crispino Pires, formando uma pequeno arraial.

Logo a comunidade se desenvolve e recebe o nome de Ouricuri, por causa da variedade de coqueiros. O Sr. Rosalvo Pinto, oficial do Registro Civil e vereador pelo então povoado de Ouricuri, foi um dos lutadores para que o mesmo se emancipasse, sendo seus esforços recompensados em 5 de julho de 1962, quando a Lei Estadual nº 1.700, desmembrava Ouricuri de Seabra, criando o município de Souto Soares, nome celebrado em homenagem ao médico João Souto Soares.

ECONOMIA - Atualmente o comércio está em franca ascensão, mas a agricultura de subsistência ou agricultura familiar sempre se destacaram como principais atividades do novo município, e ainda é predominante. O município não possui grandes latifundiários, por isso a sua produção de grão é pequena, porém significante proporcionalmente à sua população e à sua extensão. Produz feijão, milho, mamona, mandioca e cana para a produção de cachaça artesanal e rapadura.

CULTURA - A cultura popular andou esquecida, mas nos últimos 8 anos, a prefeitura desenvolveu amplo processo de resgate e promoção, reavivando grupos das Cantigas de Reis, Dança de São Gonçalo, Grupos de Pífanos, Zabumbeiros, capacitação para aproveitamento de materiais naturais, como a palha do ouricuri na elaboração de belos artesnatos, bem como no melhoramento de produtos derivados da mandioca, estabelecendo rica e saborosa culinária como bolos, tortas, beijus e outros.(Cultura&Realidade)

0 comentários:

Postar um comentário

Blogroll