Paralisação dos professores faz aprovação do governo desabar

Criado no coração do sindicalismo, o Partido dos Trabalhadores já deu aula de greve. Hoje, do outro lado do balcão, leva bomba em matéria de negociação. Os mais de 100 dias de paralisação dos professores trouxeram prejuízo às avaliações do governo do estado e do governador. Para os soteropolitanos, segundo pesquisa do Instituto Futura em parceria com o CORREIO, o índice dos que consideram ruim ou péssima a gestão Jaques Wagner (PT) pulou de 36,1% em abril, quando começou o movimento grevista, para 69,1% em julho.
O efeito greve também respingou nas barbas da popularidade do governador, que viu cair sua avaliação positiva de 23,6% (bom/ótimo) em abril para 9,3% neste mês. A reprovação cresceu de 35,9% para 65,9% no mesmo período.

A pesquisa CORREIO/Futura revela que para 87,7% dos entrevistados, a qualidade do ensino público é hoje o pior problema do estado, acima da saúde (ruim e péssima para 83,2%) e da segurança (73,9%), entre as atribuições estaduais com avaliações mais críticas.
A condução do governo estadual na greve da Polícia Militar no início do ano é melhor avaliada (49,9% de aprovação x 46,1% de reprovação) do que  na paralisação dos professores (51,6% desaprovaram) . Para 86,7% dos entrevistados, o governo deveria atender às reivindicações dos professores.
O apoio ao movimento, entretanto, também não é unânime em Salvador. A população está dividida: 52,9% são a favor e 44,6% são contra. No universo pesquisado, 66,2% ou estudam ou têm alguém da família na rede pública estadual. Neste público, a greve também dividiu os entrevistados: 50% a favor e 49,2% são contra.
A má avaliação do governo baiano em julho é equilibrada entre os sexos : homens (70% ruim/péssimo) e as mulheres (68,5%) e mais crítica nas maiores faixas etárias, com reprovações de 74,7% entre quem tem de 40 a 49 anos e 73,4% de 50 a 59 anos. O desgaste após os três meses de greve foi um pouco menor entre os mais jovens: 59,4% entre 16 a 19 anos.
Na divisão por classes sociais, a avaliação negativa da gestão estadual em julho cresce nas classes A/B, com 80,7% de ruim e péssimo contra 67,4% nas D/E. A nova classe média é um pouco mais generosa: 64,9% de reprovação. É ali que o governo estadual tem seu melhor desempenho com 13,8% de aprovação. Nas classes A/B, este índice cai para 5,3% de ótimo/bom, com 8,7% de aprovação nas faixas D e E.
A pesquisa CORREIO/Instituto Futura foi realizada entre os dias 16 e 19 deste mês, com 399 entrevistas em Salvador. A margem de erro é de 4,9%.

DO CORREIO
CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR
correio24horas.com.br

0 Opiniões:

Postar um comentário

A MATÉRIA EM AUDIO