Professores do município de Caém deflagram greve e planejam manifestação para a próxima segunda-feira

Na próxima segunda-feira (23/03/15), professores concursados, educadores do município de Caém irão realizar uma manifestação, na luta por reajuste salarial.

Em assembleia realizado com a APLB, os educadores buscavam um reajuste de 25% para o nível 2, e em plenária decidiram fechar em 16,9%. O prefeito Arnaldinho ofereceu 8,8% e as partes não chegaram a um acordo.

Segundo Gilvando da APLB/Sindicado, em reuniões apenas com os professores nos dias 11 e 12/03, o prefeito Arnaldinho que tinha assegurado 8,8% voltou atrás, passando a oferecer 13% em cima do salário defasado de 2014, quando deveria reajustar em cima do piso nacional. Segundo o professor Gilvando, quando foram fazer os cálculos, o percentual real do aumento é de apenas 3%.


A categoria entra em greve com mais de 80% de adesão dos educadores, e boa adesão dos pais e alunos, apoiando a manifestação que ocorrerá na próxima segunda-feira (23), com caminhadas nas ruas e concentração à partir das 14h defronte a prefeitura e câmara municipal.

"O sindicado apresentou um relatório de impacto financeiro, uma tabela de reajustes com quadros, que mostram que em cima dos 60% dos recursos do Fundeb é possível pagar o que os professores pedem. O município não apresentou nenhuma proposta, nenhum impacto negativo na folha de pagamento como é alegado verbalmente, apenas mostra o quanto é recebido e o quanto é gasto" disse o professor.

O sindicalista diz ainda que o prefeito Arnaldinho tem colocando que a greve é ilegal e que irá cortar o ponto dos que aderirem à paralisação.

A APLB/Sindicato está de posse de uma Resolução do Supremo tribunal Federal, de Joaquim Barbosa, que coloca que o ponto parado pelos trabalhadores não pode ser descontado, pois fere o direito de greve amparo pela Constituição Federal. Fonte: Augusto Urgente!


0 Opiniões:

Postar um comentário

A MATÉRIA EM AUDIO