Abuso sexual - Conselho Tutelar recebe quarenta denúncias a cada mês

Só em Camaçari, o Conselho Tutelar recebe uma média de 40 denúncias por mês (foto/Marcelo Franco)

Assunto delicado e vergonhoso, a violência contra crianças e adolescentes - principalmente a sexual - ainda é uma realidade que faz parte da vida de muitas famílias. Só em Camaçari, o Conselho Tutelar recebe uma média de 40 denúncias por mês. Mas, como detectar crianças em situação de vulnerabilidade e prevenir traumas que acompanham o indivíduo por toda vida? Para responder essa pergunta e explicar como funciona a investigação e o acolhimento às vítimas, o Camaçari Fatos e Fotos, CFF, entrevistou Maria Domingas da Silva Magalhães, coordenadora do Conselho Tutelar de Camaçari.

De acordo com Domingas, o principal fator de omissão e impunidade dos agressores é o medo. Quando há alguma denúncia, o procedimento dos conselheiros é conversar separadamente com a criança ou adolescente e a família. Se detectado alguma irregularidade ou indicio de abuso, é expedida uma guia de lesão corporal, cuja perícia é realizada no Instituto Médico Legal Nina Rodrigues, em Salvador. Caso a violência seja confirmada, a vítima é encaminhada para atendimento psicológico.

Quanto ao agressor, os procedimentos tomados ficam a cargo da polícia. Em Camaçari, a coordenadora revela que existem muitos casos. “Tem várias denúncias. Muitas são confirmadas, principalmente de assédio, quando não se consuma o ato”, conta. No entanto, ela enfatiza que a inexistência do contato sexual não ameniza a situação. “Só da criança passar pela coação, já causa um dano psicológico”, alerta.

A conselheira explica que quando a criança é coagida ela manifesta uma irritação irradiada para todos. Já quando sofre algum tipo de violência ou abuso, o sentimento é inverso, apresentando uma introspecção. Domingas diz que nas conversas percebe muita timidez e o diálogo é composto por palavras entrecortadas. Há, na maioria das vezes, o sentimento de culpa, da vítima.

Outra dificuldade de acolhimento e denúncia acontece por que algumas mães, quando casadas com outros homens que não são os pais de suas filhas, e ocorre uma violência sexual, ainda culpam as filhas por estarem “se oferecendo”. “Mães que tem filhas e que não está morando com os pais tem que ficar de olho, por que apesar de acontecer com pais e parentes, os principais agressores são estranhos”, lembra.

O caso mais recente de abuso sexual descoberto em Camaçari, está sendo investigado pela Delegacia Especial de Atendimento a Mulher (Deam). O agressor é acusado de abusar sexualmente da filha, por cinco anos, desde os oito aos 13 anos da garota. A investigação está sob a responsabilidade da delegada titular, Taís Siqueira.

Em caso de suspeita de abuso sexual ou de violência familiar, a denúncia pode ser feita pessoalmente na sede do Conselho Tutelar, localizada na rua Tupinambá, s/n, centro, próximo a Farmácia Popular. Ou através dos números: .
Fonte: camacarifatosefotos.com.br

1 Opiniões:

  1. bom dia senhores(as) gostaria de informar que aqui em dias d`vila um sujeito de nome lucas bastos está molestando uma de menor da cidade de salvador cometendo caricias intimas, sexo oral, penetração vaginal e anal inclusive a foto do mesmo se encontra no facebook, gostarias que as autoridades locais da cidade desse o fragrante principalmente fins de semana e feriados que a mesma se encontra na cidade vindo lá de salvador/ba

    ResponderExcluir

A MATÉRIA EM AUDIO