As Cacimbas de Salobro, Poesia de João Evangelista (Vange - Marceneiro)

As CACIMBAS de Salobro

Hoje, estão “A DEUS DARÁ.
Elas que deram origem
Ao nome desse LUGAR,
Quem tanta sede “matou,”
O pouco que lá ficou,
Ainda pode “matar.”

2
A ÁGUA, quer dizer; “VIDA,”
Precisa ser preservada,
E essas CACIMBAS tem água,
Apodrecendo por nada,
Se a ÁGUA é apodrecida,
Também apodrece a VIDA;
Não podemos fazer nada?

3
Já houve iniciativa
Tomada por MANOEL FERREIRA,
De limpar a CACIMBONA,
Mas levaram em brincadeira,
Enquanto, uma parte, aprovou
A maioria zombou
Achando que era besteira.

4
Quem tem planos para “um ano”
Na boa sombra, se senta;
Quem tem planos para dez,
Planta uma muda e se atenta,
E planta uma semente,
Aquele sobrevivente
Que tem planos pra cinquenta.
Vange Marceneiro (Poeta Salobrense)
Autor deste de muitas outras poesias
5
Daquilo que envelheceu,
Nunca devemos sorrir;
E no prato que comemos,
Nunca devemos cuspir,
Nas CACIMBAS, tão cuspindo!
-Menos mal, pra quem tá indo,
Pior pra quem tá por vir.

6
Porém, nós, SERES HUMANOS,
Vivemos no obscuro,
A maioria só pensa
Num investimento seguro,
Esquecemos que água pura
É a riqueza mais segura
Com um lamentável futuro.

7
A CACIMBINHA da Rua de Baixo,
Cada um quer sua tutela,
Na época da “politicagem,”
ELA é um ponto de balela,
Passado a eleição, “PLIM,PLIM,”
-Não é RECLAME, é o fim,-
DA CACIMBINHA, a” NOVELA.”

8
Espero: quem quer que seja,
Não se sinta aborrecida;
A minha intenção não é,
Deixar ninguém constrangida,
Custa bem pouco tentar,
Nosso Salobro, salvar,
Essas três fontes de vida.

O Autor:
Este comentário em forma de poesia não é de cunho politiqueiro, foi uma forma mais divertida que eu encontrei para chamar atenção de nossa população para que vejam o descaso que todos nós fazemos com certas coisas que já nos serviram tanto.

Perfil
Sou João Evangelista, popular (Vange Marceneiro) , natural de Barra do Mendes-BA.
Resido no distrito de Salobro-BA. Não tenho a escrita como fonte do meu sustento material, mas me dedico muito a ela para ganhar conhecimentos, que por falta de oportunidade na minha infância e incentivo na adolescência, me deixou um homem com fome de sabedoria. Com a escrita e a leitura Eu consigo saciar essa fome.

Deixe seu comentário abaixo

Leia também:
7 de setembro e Salobro. Poesia de João Evangelista (Vange Marceneiro)
POR VANGE: No tempo que um fio de bigode valia dinheiro
POR VANGE: Você acredita em Horóscopo?
À MINHA MÃE (PARTCIPAÇÃO DE 7 RECANTEIROS) POESIA DE VANGE

2 comentários:

  1. PARABÉNSSSS!!

    MUITO SENSACIONAL A POESIA FEITA PELO MEU TIO VANGEE!

    TODOS NÓS [ERIK,SUZY E EDER] FICAMOS FELIZES EM LER A SUA POESIA!

    VOCÊ É DEMAISSS TIO!!

    TE AMAMOSS S2

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Vange pela bela poesia, bom se você voltasse la na cacimba para ver a situação e fazer uma nova poesia...

    ResponderExcluir

Blogroll